Não é Sobre a Bicicleta - Artigo

‘Não é Sobre a Bicicleta’

Como líder do ministério de desporto da OM, Chris (África do Sul) não considera estranho ver paisagens de maneira rápida sobre duas rodas. “Já pedalei em todos os lugares”, disse ele. África do Sul, País de Gales e Maláui são apenas alguns dos lugares onde ele participou em tours organizadas. Os seus pais – os primeiros a mostrar-lhe o amor de Deus – introduziram-no ao ciclismo e ao desporto quando criança, preparando-o para uma vida ativa a seguir Jesus.


 

 

Ao pensar nos seus passeios de bicicleta, Chris viu claramente Deus a trabalhar, tanto na vida das pessoas com quem andou de bicicleta quanto nas que encontrou ao longo do caminho. Por meio de uma parceria, a Bíblia foi traduzida para a língua de um grupo de pessoas que antes não tinha acesso à Palavra de Deus. Quando a equipa de Chris percorreu aquela área, eles deram às pessoas a Bíblia, em formato áudio, no seu próprio idioma. “É aí que a oração e os menos alcançados se conectam. E isso para mim foi absolutamente o lado dourado disso”, disse Chris.

 

Para o seu desafio físico mais recente, Chris juntou-se a uma equipa de 14 ciclistas de 12 a 14 de junho de 2020, para pedalar 1.000 km pela Alemanha, para arrecadar fundos e encorajar as pessoas a orarem por aqueles que ao redor do mundo foram afetados pelo novo coronavírus. Enquanto os 100.000,00€ em doações trazidas pelo ciclismo puderam, sem dúvida, abençoar os projetos e as pessoas que as receberam, para Chris, os efeitos invisíveis das 72 horas de oração contínua são mais importantes.

 

“O objetivo era iniciar um movimento de oração, para criar entusiasmo para que outros o fizessem também”, explicou Chris. “A minha parte no Coronaride às vezes parece pequena. Mas acredito que juntos realmente temos algo em movimento. Iniciamos a oração em cima e fora das bicicletas, e vimos muitas pessoas a participar.”

 

‘Segue-me’

 

Como o confinamento nacional tornou a vida mais lenta na Alemanha, onde ele mora, “eu também abrandei deliberadamente”, disse ele. “Senti que era desejo do Senhor que eu diminuísse o ritmo e observasse de forma absoluta o que Ele está a fazer neste momento”. Chris fazia longas caminhadas sozinho, sem tecnologia, a ouvir a Deus e a passar tempo na Sua presença.

 

Pouco depois de se tornar um crente, Chris conheceu o plano de Deus para a sua vida: fazer discípulos. “Eu também sabia que significaria ouvir com atenção a Sua orientação”, explicou ele. Ao longo da sua vida, ouvir o Senhor muitas vezes significou ser pioneiro em novos ministérios desportivos – e depois passá-los adiante quando Deus lhe mostrar o próximo passo.

 

Até agora, ele mudou-se com a sua família quatro vezes, deixando parentes, amigos e ambientes familiares para trás para seguir os planos de Deus. “Sou grato pela minha corajosa esposa e pelos meus filhos flexíveis. Sou muito grato, no entanto, pela liderança constante do Senhor. Ele realmente tem sido a lâmpada para os nossos pés e a luz para o nosso caminho, sussurrando aos nossos corações: ‘Segue-me.’”


 

Mudança de planos

 

Antes do Coronaride, Chris preparou um plano de formação de 12 semanas e pediu a um amigo na África do Sul para o treinar. Apesar do seu programa de preparação e formação, a sua bicicleta de estrada especializada começou a causar-lhe problemas. “Saí vários dias com vários parceiros de treino e as engrenagens não paravam de escorregar. Além desse problema, constantemente trocava diferentes peças e continuei a cair da minha bicicleta de montanha durante os treinos intervalados”, lembra Chris. “Eu certifiquei-me de continuar a comer a comida certa, de focar-me em boa nutrição e de fazer muitos exercícios para fortalecer o meu corpo.”

 

No final, Chris decidiu andar na sua bicicleta de montanha, em vez da bicicleta de estrada, durante o Coronaride. O primeiro dia começou bem. “As bicicletas de estrada obviamente tiveram um pouco de vantagem porque são mais rápidas em planos. No entanto, consegui compensar, ao ficar junto do grupo. À medida que o final do dia se aproximava, as minhas pernas começaram a doer e, principalmente, o meu joelho doía bastante. Mantive o ritmo atrás das bicicletas de estrada, o que foi um trabalho árduo e extremamente exaustivo, mas o incentivo e o apoio da equipa motivaram-me para continuar.”

 

Eventualmente, Chris começou a ficar para trás e sabia que não poderia terminar o dia. “Na marca dos 300 km, parei com uma forte dor no joelho. Eu estava com uma dor extrema e fui forçado a parar”, ele compartilhou. Chris ligou para a sua esposa e “depois de algumas palavras de encorajamento, voltei para a minha bicicleta com dores e consegui completar os 7 km extras até o nosso veículo de apoio. Eu senti que tinha falhado e estava muito dececionado comigo mesmo.”

 

Os outros ciclistas terminaram o percurso do dia, enquanto Chris descansava as pernas e passou o resto do dia a orar, como pretendia fazer na bicicleta. Mais tarde, ao verificar o seu monitor de atividade, Chris descobriu que tinha pedalado 307 km em 12 horas e 49 minutos numa bicicleta de montanha – um recorde pessoal e talvez mundial*. “Talvez eu tenha falhado em completar os 1.000 km, mas acredito que fiz a minha parte”, disse ele.

 

Campeão de oração

 

Chris pedalou apenas no primeiro dia do Coronaride. Mas viajou com a equipa no veículo de apoio durante todo o fim-de-semana, incentivando os outros ciclistas e participando ativamente num grupo internacional de oração via WhatsApp com cerca de 120 pessoas.



		

“Não era sobre a bicicleta, mas sobre a oração que mobilizamos”, enfatizou. O feedback a esse respeito tem sido encorajador. Além de ter havido pessoas a se oferecerem como voluntários para 144 horários de oração que abrangiam os fusos horários para cobrir a duração do Coronaride, “outras acordavam no meio da noite [para orar], pessoas que não estavam no grupo oraram por nós porque elas sentiam que algo estava a acontecer”, explicou Chris. “Isso é … algo para comemorar.”


 

“Não era sobre a bicicleta, mas sobre a oração que mobilizamos”, enfatizou. O feedback a esse respeito tem sido encorajador. Além de ter havido pessoas a se oferecerem como voluntários para 144 horários de oração que abrangiam os fusos horários para cobrir a duração do Coronaride, “outras acordavam no meio da noite [para orar], pessoas que não estavam no grupo oraram por nós porque elas sentiam que algo estava a acontecer”, explicou Chris. “Isso é … algo para comemorar.”

 

Um amigo orava por uma hora e meia todos os dias na Zâmbia. Uma equipa de sete pessoas na Ásia Central também orou durante o evento. O diretor internacional da OM, Lawrence Tong, telefonou para Chris para dizer que tinha orado por um país no Norte da África com poucos seguidores de Jesus conhecidos. “Acho que ainda há muitas coisas que iremos ver com essa [oração]”, disse Chris. “Eu gostava mesmo de ouvir alguns dos milagres que aconteceram, grandes ou pequenos, do outro lado das orações.”

 

Pessoalmente, Chris experimentou a orientação de Deus durante o Coronaride. “Eu sinto que houve momentos em que eu estava a andar nas minhas próprias forças”, ele admitiu. No primeiro dia, em que Chris começou a ter dificuldades, ao pedalar contra o vento, ele ouviu a garantia de Deus: “Confia em mim”. Durante o que ele descreveu como uma tempestade espiritual no segundo dia, Chris apoiou-se em amigos, que lhe telefonaram e oraram por ele. Um amigo também lhe deu um versículo das Escrituras. “Foi como uma dádiva de Deus,” Chris compartilhou.

 

No final do fim-de-semana, os outros ciclistas completaram o desafio dos 1.000 km. E Chris convidou aqueles que tinham participado com oração para se juntarem a outro grupo para continuarem com aquele entusiasmo espiritual. “Juntos somos mais fortes. Juntos podemos fazer muito mais. Juntos somos bem-sucedidos! Certamente [isso é] algo para comemorar”, disse ele.

 

* A maior distância registada numa bicicleta de montanha foi de 577,78 km completos em 24 horas, de acordo com o Guinness World Records. Em 12 horas, Chris pedalou 307 km, mais da metade da distância recorde.

 



		
Texto de: Nicole James
Data: 11/08/2020 | Alemanha

 

 

Deseja contribuir para este ou outro ministério da OM, em Portugal ao noutra parte do mundo?

Entre em contacto connosco

Partilhe este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

catorze − 4 =